Loading

Henrique Rodrigues

henriquemrodrigues@sapo.pt

A Confissão - Fátima ou a Desfaçatez

A Confissão - Fátima ou a Desfaçatez

2017

O serviçal destrinçador

(…)Na nossa casa, meu Amo, (a que nos aquece) dou por mim a imitá-la. Mas ela bate-me na agonia com que trata a ingenuidade dos três pastores. Essas bestas tristes que acorrem ao espectáculo mais infeliz num dia em que o sol poente não se pôs e a sapiência ignorante igualmente, aquela que a fé em riste depôs; e não fosse o singelo contrato, morria a história às margens da sacristia. Nesse recanto tudo foi engendrado: o que é, não é; o que está para vir, nunca será; o que foi, ninguém viu. (só uma vaca no campo, um boi tresmalhado; e a Marta que fodia à hora nona no estábulo com o frate Marto, enquanto Lúcia, a prima, esfregando-se, sorria!) Que enorme valentia, ter assim a mentira a força da sabedoria! E que denodo! Falar com a boca e mentir com o coração. Como me ultrapassa a que se perde no meu Senhor (sem o saber). A que te ensina o abecedário da morte simplesmente por viver! Da crueldade, do amor falso da bondade traiçoeira, da filha que mata, da mãe que abre as pernas ao homem … que não ama! (e que a dilata) São essas as histórias que conta, mais até do que tem para oferecer. Que parenética celestial neste tédio infernal …

O Padre morigerador

Moderação, então! C’um caralho, assim não!

O Diabo certeiro

Quem mais envenenaria a rua que a viu nascer, traria no coração uma mescla de humores, amores tricolores de cega rebelião.

(…)

O Povo e o Padre em coro

Atravessa-se o trilho com denodo. Não se lhes liga, em frente! Olha-se para o lado bom da estrada. Esquece-se por pudor o que não é nem a demanda, nem o fito, muito menos o pão de que se nutre o povo.

O Diabo desafiador

Tu não vês que sem treino, as mulheres da vida fazem mais por caridade do que as beatas rezando e carpindo p’lo “Reino”?! As putas elevam o céu à realeza do perdão; as outras, que vendem o espírito, marchetam de negro a mulher chorosa, em triste prostração. Depois, abrem-lhe a boca, metem-lhe dentro frases e palavras ocas. Quando …, se não é o coração a bater forte, vociferam petardos falsos de compaixão! Do que vale pai-nosso, ave-maria e credo, tudo o que é vazio, sem tutano, sem osso! Se Deus não é a beata que cora quando vê o filho nu no poste d’outrora. Mas a puta em pranto ao ver pão deitado fora, a filha nua proscrita, o seu filho (ou neto) derrelicto, a um canto. (coberto, o filho, de um espesso manto de crisântemos à beira da nora antiga, onde, o neto, ainda criança, saciou a sede de vida) Só porque o prior disse que ao filho de pai incógnito, uma de duas coisas: Ou os olhos do diabo, ou, dignamente, as penas do inferno! Lérias, cabrão! Não são todos filhos de Deus! E de Deus os que já aqui não estão? E nos dias de hoje onde irão os homens carentes de todos os credos? Sabes? Não! À rua, velhaco. Estão ali, na viela, onde, com as tuas porcarias, se deleitam a comer do chão o que nunca lhes deste à mesa! O que vem da tua boca, e do teu estúpido coração, aposto: só fuligem e uma amável comoção.

(...)

NO CENTENÁRIO DAS APARIÇÕES NA COVA DA IRIA




Nenhum comentário


Deixe o seu comentário: